Escola é cultura!

Divulgando para o mundo as atividades culturais da escola.

domingo, 24 de outubro de 2010

Carta ao Jornal Super Notícias

No dia 10 de fevereiro de 2010, a Escola Estadual Professora Yolanda Martins foi notícia em toda a Região Metropolitana de Belo Horizonte, sendo capa do Jornal Super Notícias, campeão de vendagem no Estado de Minas Gerais. Infelizmente, a imagem foi muito negativa, com problemas de super lotação de sala de aula e falta de carteiras, a direção da escola adotou um sistema de rodízio de aulas. O assunto foi comentado em todas as rodas, na rádio Globo e “pipocaram” críticas à escola em particular e à educação em geral.

O problema da falta de carteiras foi, momentaneamente solucionado, com o recebimento de carteiras doadas pelas escolas da região. Mas, o problema persiste e não tardará a retornar ao cenário de discussões. Porque a falta de carteiras é apenas um “sintoma” do mal maior. Há uma série de fatores que contribuem para o problema. Podemos listá-los:
• Recusa das famílias de matricular os filhos no turno da noite por causa do medo da violência; (Há salas ociosas no noturno);
• Altos índices de repetência, o que faz com que os alunos não progridam na escolaridade, juntando-se aos alunos novatos na turma, aumentando o número de alunos dentro da sala;
• Vandalismo dos próprios alunos que quebram cadeiras e carteiras diariamente;
• O vandalismo e a indisciplina são causados, sobretudo, pelo número excessivo de alunos nas salas de aulas, pergunta: como fazer um trabalho eficiente com uma sala com cinqüenta alunos que impede a própria movimentação das pessoas dentro dela? E o calor? E o desconforto visual? E o barulho?
• Não há na escola nos turnos manhã e tarde salas ociosas para uma melhor movimentação dos alunos e o favorecimento de um trabalho pedagógico mais eficiente; o barulho diário é um fator de estresse profissional;
• Demanda por vagas para o ensino fundamental ser maior que a oferta; o governo encontra solução para a demanda enchendo as turmas de alunos, quando a solução correta é a construção de mais uma escola na região do canal para atender a demanda por mais vagas;

A Escola Estadual Professora Yolanda Martins pode ter os seus problemas, como toda escola pública, mas,não vive de notícias ruins, os professores e demais profissionais se esforçam a cada dia para oferecer um bom serviço para a comunidade. Os índices de proficiência nas avaliações externas vêm subindo gradativamente, no ano de 2008 o resultado dos anos iniciais do ensino fundamental superou a média do Estado.

A Escola precisa de uma participação mais ativa das famílias no seu dia a dia, no acompanhamento das atividades escolares e na conscientização dos alunos da importância dos estudos e da conservação do patrimônio público, que não é de nenhuma pessoa em particular, mas que é de todos, paga com os impostos cobrados.

Se há procura por vagas, deve haver também o compromisso com essa Instituição de Ensino que funciona há 30 anos e foi fruto de luta da comunidade para educar os seus filhos.




ESCOLA ESTADUAL PROFESSORA YOLANDA MARTINS
ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO