Escola é cultura!

Divulgando para o mundo as atividades culturais da escola.

quinta-feira, 3 de março de 2011

Para pensar...

EDUCAÇÃO NA MÍDIA _ Movimento Todos Pela Educação

03 de março de 2011
OPINIÃO: A DESILUSÃO DO SISTEMA EDUCACIONAL DO SÉCULO XXI
''A Educação não precisa de reforma, mas de uma revolução'', afirma Luísa Galvão Lessa

O Sistema Educacional, no Brasil, é muito antiquado, não atende as necessidades dosalunos e da sociedade. Para começar, a Escola iguala todos os alunos, ela não procura saber a realidade e o nível de aprendizagem de cada um. O ambiente Escolar não proporciona uma aprendizagem significativa e esquece que cada aluno é um mundo a ser descoberto e explorado.

Essa atual realidade é uma decepção. Sonhei que no século XXI os jovens seriam solidários, empreendedores e amariam a arte de pensar. Mas muitos vivem alienados, não pensam no futuro, não têm garra e projetos de vida. Promovem arruaças, em via pública, e vão à Escola por obrigação. professores e alunos vivem juntos, durante anos, dentro da sala de aula, mas são estranhos uns para os outros, não se conhecem, não conhecem suas famílias.

Eles se escondem atrás dos livros, das apostilas, dos computadores, deles mesmos. A culpa é dos ilustres professores? Não! A culpa é do Sistema Educacional doentio que se arrasta por séculos. Um sistema que jogou o professores na vala do esquecimento, do desprestígio, do pouco apreço.

Esse sistema do século XXI alimenta estudantes marginais, que furtam os colegas dentro das salas de aula. Não penaliza aqueles que fazem arruaças nos arredores das Escolas, insultam velhos e crianças, famílias, fazem sexo em via pública, como animais, sem que as autoridades lhes dêem a devida punição.

Não há uma guarda Escolar capaz de encaminhar os alunos para suas casas, ao término das aulas, eles ficam perambulando pelas ruas, sujeitos a má sorte, a cometer delitos da mais variada natureza. E são jovens que estão sob a guarda do Constituição Federal para receber Educação de qualidade...

Contrariamente ao passado, neste século XXI, o conhecimento se multiplicou, as Escolas se expandiram como em nenhuma outra época, mas não estão formando jovens criadores de idéias, jovens que traçam metas e objetivam cumpri-las e sendo capazes de enfrentar seus obstáculos para alcançá-las.

É por isso que os alunos perderam o prazer de aprender, a Escola deixou de ser uma aventura agradável para ser um"martírio" onde "ninguém aprende mais nada.

Todavia, a Educação Escolar ainda é um espaço privilegiado para crianças, jovens e adultos das camadas populares terem acesso ao conhecimento científico e artístico do saber sistematizado e elaborado. A Escola é o espaço onde se encontra a maior diversidade cultural e também é o local mais discriminador.

Tanto é assim que existem Escolas para ricos e pobres, de boa e má qualidade, respectivamente. Por isso trabalhar as diferenças é um desafio para o professor, por ele ser o mediador do conhecimento, ou melhor, um facilitador do processo ensino-aprendizagem. A Escola em que ele foi formado e na qual trabalha é reprodutora do conhecimento da classe dominante, classe esta, que dita as regras e determina o que deve ser transmitido aos alunos.

Mas, se o professor for detentor de um saber crítico, poderá questionar esses valores e saberá extrair desse conhecimento o que ele tem de valor universal.

É preciso, então, neste século XXI, que a Escola se torne atraente, motive o jovem a freqüentá-la, que os pais acompanhem os filhos. Que os filhos respeitem os pais, osprofessores, a Escola, as famílias, os colegas, a sociedade, os valores morais. Que os jovens desejem melhorar o mundo, não desabem, ao contrário, no sub-mundo do crime, roubando, furtando, assaltando, tudo em nome da menor idade.

O país precisa mudar, a sociedade necessita exigir ações enérgicas do Governo. Afinal, desejamos um mundo harmônico, onde todos possam viver, trabalhar, conviver em paz.

A Educação não precisa de reforma, mas de uma revolução. A Educação do futuro precisa formar pensadores, empreendedores, sonhadores não apenas do mundo em que estamos, mas do mundo que somos.

DICAS DE GRAMÁTICA

EM FUNÇÃO DE QUÊ? -Tornou-se comum a expressão em função de em frases como "cheguei atrasado em função do trânsito" ou "ele morreu em função de uma pneumonia". No entanto, em função de significa finalidade e não causa. Se cheguei atrasado foi por causa do trânsito e se ele morreu foi em virtude da pneumonia. Certo é dizer: "ele vive em função do dinheiro", ou seja, ele vive para o dinheiro, com a finalidade de ganhar dinheiro.

PARA AGRADAR GREGOS E ROMANOS - Expressar-se corretamente é também enriquecer o vocabulário. Dos idiomas grego e latino procedem palavras que, muitas vezes, são sinônimas entre si: contraveneno e antídoto, oposição e antítese, transformação e metamorfose, moral e ética, rei e monarca, fim e epílogo. As primeiras vieram do latim. As outras, do grego.

Luísa Galvão Lessa – É Pós-Doutora em Lexicologia e Lexicografia pela Université de Montréal, Canadá; Doutora em Língua Portuguesa pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ; Membro da Academia Brasileira de Filologia: Membro da Academia Acreana de Letras
Fonte: A Gazeta (AC)